Tecnologia do Blogger.

Os Métodos crucificação


Os Métodos Romanos Crucificação


O que sabemos sobre a história da crucificação? Hershel Shanks estudou os métodos de crucificação romana a partir de restos encontrados em Jerusalém de um jovem crucificado no primeiro século dC. Os restos incluíam um osso do calcanhar perfurado por um prego grande, dando aos arqueólogos, antropólogos e osteologistas evidências da crucificação na antiguidade.
Crucificação na antiguidade era uma execução horrível, não foi realmente bem compreendida até à descoberta do esqueleto na década de 1980 que deram uma nova visão sobre a história da crucificação.
 Fotos: Cortesia Israel Exploration Journal, vol. 35, No. 1 (1985)
 
O que nos dizem esses ossos sobre a história da crucificação? A escavações em que se encontram os ossos de um homem crucificado, Vassilios Tzaferis, seguido da análise de Nico Haas da Universidade Hebraica-Hadassah Medical School, em Jerusalém, sugerindo métodos de crucificação romana: a posição contorcida: braços pregado na trave, pernas dobradas, torcidas para um lado, e realizada no lugar por um único prego que passaram por uma trave de madeira, passando pelos ossos do calcanhar esquerdo e direito, e depois para a posição vertical da cruz.
Fontes literárias dão algum conhecimento sobre a história da crucificação indicam que os métodos crucificação romanos era a de levar o condenado para o local da execução, levando apenas na barra transversal. A madeira era escassa e o pólo vertical era mantido no local e usado repetidamente. Abaixo, uma "nova análise do homem crucificado", Hershel Shanks conclui que a crucificação e a morte envolvia mais asfixia do que a morte provocada pelos pregos ou prego. 
 
O desenho da localização crucificação contorcido proposto por Vassilios Tzaferis, com base na análise de Nico Haas, que já foi contestado por Joseph Zias e Eliezer Sekeles. Para a legenda completa, veja o desenho de Israel Exploration Journal 35:1. Foto: Cortesia Israel Exploration Journal, vol. 20, N ° 1-2 (1970)
De acordo com Haas, o prego no homem crucificado penetrou ambos os ossos do calcanhar direito e esquerdo, perfurando o osso do calcanhar direito (calcâneo) primeiro, e depois o esquerdo. Haas encontrou um fragmento de osso ligado ao calcanhar direito, que ele pensou que era parte do osso do calcanhar esquerdo (talo). Se a análise da Haas está correto, os dois ossos do calcanhar deve ter sido penetrado pelo mesmo prego, e as pernas da vítima deve ter sido em uma posição fechada na cruz.
 
"As fontes literárias para o período romano contêm várias descrições da crucificação, mas poucos detalhes exatos de como os condenados foram afixadas à cruz. Infelizmente, a evidência física direta aqui também é limitado a um certo calcâneo (osso do calcanhar) perfurado por um prego 11,5 cm ferro com traços de madeira nas duas extremidades. "
De acordo com as fontes literárias, os condenados à crucificação nunca carregaram a cruz completa, apesar da crença comum em contrário, e apesar das muitas encenações modernas de caminhada de Jesus para o Gólgota. Em vez disso, apenas a barra era levada, enquanto a vertical era fixada num lugar permanente, onde era usado para execuções posteriores. Como o historiador judeu Flávio Josefo, do primeiro século observou, a madeira era tão escassa em Jerusalém durante o século I dC que os romanos foram forçados a viajar dez milhas de Jerusalém para proteger a madeira para suas as máquinas de cerco.

De acordo com Zias e Sekeles:
"É razoável assumir que a escassez de madeira pode ter sido expressa na economia de crucificação em que a barra, bem como a posição vertical seria usado repetidamente. Assim, a ausência de lesão traumática do antebraço e metacarpos da mão parece sugerir que os braços dos condenados foram amarrados em vez de pregado na cruz. Há ampla evidência literária e artística para o uso de cordas ao invés de pregos para fixar o condenado à cruz. "
 
Se os braços da vítima estavam amarrados, ao invés de pregado na cruz é irrelevante para a maneira da sua morte. Como Zias e Sekeles destacam-se:
 
"A morte por crucificação era o resultado da maneira pela qual o homem condenado pendurado na cruz e não a lesão traumática causada por pregar. De suspensão a partir do cruzamento resultou num processo doloroso de asfixia, em que os dois conjuntos de músculos utilizados para respirar, o intercostal [peito] músculos e do diafragma, tornavam-se progressivamente enfraquecidos. Com o tempo, o homem condenado expirava, devido à incapacidade para continuar a respirar corretamente. "

Read more...

A terra de Moabe


Moabe - Desejo ou Terra Fértil

Moabe é o nome de um filho de Ló, resultante de um incesto Ló com a sua filha mais velha (Gén. 19:17). Os moabitas tiveram alianças com os amonitas (Gén. 19:37,38). Ramsés II conquistou os moabitas. Segundo se lê na inscrição da base da estátua de Luxor. Formavam um povo numeroso antes dos Israelitas passarem o Mar Vermelho (Êxodo 15:15). Ocupavam o país desde as planícies de Hesbom até ao wady Kurahi, que emerge no extremo sul do Mar Morto e formava na linha divisória entre Edom e Moabe.


Moabe é também aparentemente a terra de Ruth. Ela casou com um dos filhos de Elimelec que tinha emigado da terra de Efrata - Belém com a sua esposa Noemi e com os seus dois filhos, Malon e Quilion. Um deles casa-se com Rute. Depois da morte do sogro, cunhado e marido acompanha a sua sogra Noemi de retorno à sua terra. Agora, terra próspera.


Nahal Arnon
Arnon é um vale com uns dois quilómetros de largura que divide a terra entre as tribos de Israel, ao norte e a terra de Moabe, para o sul (Nm 21:13, Dt 3:16). Os moabitas antigos disputavam essa fronteira, e isso aconteceu algumas vezes na história bíblica, os moabitas cruzaram Arnon para capturar a tribo de Gad no Planalto Medeba. O Arnon é mencionado muitas vezes na Bíblia por causa da sua importância geográfica.

 

Capital de Moabe
Conhecido na Bíblia como Kir, Kir Moab, Quir-Heres e Hereseth, este lugar (Kerak moderna) foi a capital de Moabe. Ele está situado numa colina isolada, com vista em todas as direções. Os cruzados reconheceram este lugar como um bom lugar de defesa. No ano 1140 AD eles transformaram Kerak numa das suas fortalezas mais fortes no Médio Oriente. As ruínas do castelo dos cruzados podem ver-se nesta foto.

Crusader 
Castelo de Kerak
No total, o castelo tem sete níveis. Foi construído na forma de um A, com a ponta estreita na extremidade do sul. Um fosso protege o castelo do lado norte por este ser acessível. O fosso que antes era de 27 m de profundidade.
Aqui está retratada a cozinha, que continha um lagar de azeite e um grande forno de tijolos.




Rabá Moabe Templo Romano
A moderna cidade de er-Rabá preserva o antigo nome de Rabá Moabe. No período romano e bizantino, a cidade era conhecida como Areopolis (Cidade do [Deus] Marte). De acordo com uma inscrição, este templo romano foi dedicado aos imperadores Diocleciano e Maximiano, que governaram em conjunto a partir de AD 286-305.


Balu Ruínas
Localizado acerca 10 km ao sul do vale do Arnon, Balu é o maior cidade da Idade do Ferro na região. Era parte do reino de Moabe. Este local foi habitado desde o período do Bronze até ao período mameluco. O interesse foi despertado pelo achado da Estela de Balu em 1930. É possível que a "Cidade de Moabe" bíblica ("Ar de Moabe") estivesse localizada aqui (Nm 21:28, Is 15:01).

Read more...

A verdadeira submissão




TEXTO BASE:
Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor;
Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo.
De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos.
Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela,
Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra,
Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.
Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.
Efésios 5:22-28

O que é submissão?
É o ato ou efeito de submeter, obediência voluntaria, sujeição , humildade  humilhação voluntaria, passividade e subserviência.

FRASE: limitar-se voluntariamente ao outro, sem contrariar a nossa consciência.

A submissão foi criada ou começou em Eva, no Genesis 3:16
E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará. 
Gênesis 3:16

Mas deve compreender o motivo e os porquês e como tudo começou, para isso devemos compreender a historia do primeiro casal, porque o motivo se resume em família  então a todo o momento sua mente tem que estar voltada para família.

Adão foi criado um ser perfeito e completo e lhe foi chamado de alma vivente, Deus com sua infinita sabedoria decidiu que o homem atingissem um grau de completo e para isso o dividiu em dois, a parte doadora, o canal ativo (masculina) e a parte receptora (feminina).


Para que a alma atingisse o estado em que pudesse ser preenchida com o infinito e eterno prazer, primeiro tinha que aprender o significado tanto de receber como o de doar. Por esta razão, o Criador dividiu-a em duas metades: "uma metade masculina"- o atributo da doação, e uma "metade feminina"- o atributo da recepção.

Os cônjuges devem perceber que o casamento é mais do que uma instituição inventada pelo homem. Faz parte de um abrangente e espiritual processo de reaproximar as duas partes da alma. Percebendo isso, será mais fácil para os cônjuges cooperar. Entretanto, não poderemos ter sucesso se tentarmos preencher nossas necessidades somente a partir das coisas deste mundo, focando apenas nossas metas mundanas.

Se quisermos que os nossos relacionamentos sobrevivam, temos que imbuir lhes de seu verdadeiro e espiritual significado. E isso apenas pode ser feito quando ambos os cônjuges estão conscientes da sua mútua e espiritual meta.

E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele. Gênesis 2:18

A família foi criada por Deus para que – entre outras coisas – um ajude o outro.

Bem, a expressão usada por Deus como “auxiliadora idônea” é muito significativa. O termo hebraico usado para definir “auxiliadora” é “ezer” que significa:

 (Da raiz hebraica rodear, circundar, isto é, proteger, defender, socorrer, prestar auxílio ou ajudar).

- “alguém que está junto” – “alguém que está ao lado de” –“alguém sempre pronto para ajudar”.

Já a palavra “idônea”, no hebraico é “neged” – de difícil tradução, porém aponta para um sentido de:
- “corresponde a”- “apropriado para”.

Adjutora idônea. Esse termo não significa que ela recebera um papel secundário. De acordo com os eruditos bíblicos, a expressão “adjutora idônea” vem do hebraico ‘ezer kenegdo, que literalmente significa “oposto a ele”, “correspondendo a ele”, o que indica que seria semelhante a ele, mas, ao mesmo tempo, seu oposto, diferente dele.


Entenda a criação e o casamento é uma unicidade e não unidade.
UNIDADE é duas coisas que se unem. UNICIDADE são duas coisas que se fundem e se formam em uma. Isto é o verdadeiro sentido do casamento e da criação. Existe não para dois para se unir, e sim dois para se fundirem e se formarem um para poder coexistir.

Quando Adão viu Eva, chamou-a de “varoa”, o que indica tanto a forma como ela foi criada como a forma como ele a reconhecia, como alguém igual a ele, e não como sua subordinada. Adão reconheceu Eva como sua complementação, não como sua rival, e muito menos como sua escrava. “É osso dos meus ossos, é carne da minha carne, é igual a mim.” E unicamente dois seres que fossem diferentes mas iguais poderiam se tornar uma só carne.


Adão precisava de alguém que o completasse , alguém com quem estar em comunhão. Somente alguém que fosse igual e ao mesmo tempo diferente poderia completá-lo. Por isso Deus criou o homem para a mulher e a mulher para o homem.
O fato de Eva ter sido “extraída” de Adão indica que a única forma de superar essa separação “antinatural” é buscando essa reunificação que os torna uma só carne.

O homem é o canal ativo, é dele que estando no caminho ele transfere para a mulher que é seu canal receptivo.  Então o homem recebe de DEUS a luz e transfere para a mulher.

Ele é a antena central pelo qual desce a luz divina e a seu redor  recebendo também desta luz esta a mulher o rodeando, protegendo, o incentivando  o orientando, dando força quando ele fraquejar, cada um no seu lugar. Ele não vive sem ela e nem ela vive sem ele, porque são feitos da parte que falta no outro.
Com o desejo da mulher, o homem alcança o entendimento e passa para a mulher.

Entendeu? A mulher tem o desejo de conhecer e incentiva o homem a ir e buscar com a sua força e destreza e traze-la o que ela deseja. É um conjunto.

Ela é responsável pelo desejo do homem para o espiritual, ela o incentiva  o obriga a atrair a realização superior.



Vejamos: Toda mulher sábia edifica a sua casa; mas a tola a derruba com as próprias mãos. 
Provérbios 14:1

notaram algo estranho nesta passagem? a mulher tem o poder de construir e de derrubar, isso quer dizer que o equilíbrio do relacionamento esta com elas, os machistas que me perdoe, mas sendo assim é a mulher que tem a ultima palavra dada por Deus. 
O homem é o cabeça porque é ele que tem receber de DEUS suas diretrizes e passar para a mulher que é a receptora do marido, isso é organização.  Porque DEUS trabalha com ordem e decência. 


Agora vejamos as palavras do sábio Rei Salomão: "Uma Mulher de valor é a coroa do seu marido." Assim como a coroa fica acima e além da cabeça. Também a luz interior da feminilidade possui uma qualidade essencial, num local que a mente não pode atingir.
O valor merecido para a mulher dado pelo rei.

então se a mulher é a coroa do marido, porque é primeira peça em destaque em um rei, segundo é algo de valor inestimável, é ela que o representa, se ela não esta polida e nem brilha a união e zelo do rei para com ela ta errada. entenderam?

Submissão não é uma responsabilidade exclusiva da mulher.
Efésios 5:21 deixa claro que, como fruto da plenitude do Espírito em nossas vidas (Ef 5:18), todos nós temos uma responsabilidade de submissão mútua: "sujeitando-os uns aos outros". Todos nós vivemos debaixo de autoridade.

O Espírito de Deus produz um "alinhamento" (sentido literal do verbo grego) no Corpo de Cristo (e especialmente na família) através de autoridades em nossas vidas a quem nos submetemos. Somente quando todos nós "entramos na linha" é que haverá relacionamentos saudáveis no lar.

Assim como os vários anéis de uma dobradiça precisam ser encaixadas para que uma porta revolva direito, assim esposas, maridos, pais e filhos precisam submeter-se a Deus e uns aos outros no desempenho de seus respectivos papéis no lar. Afirmar que submissão é uma "maldição exclusiva" da mulher ignora o ensino bíblico claro sobre o assunto.


Submissão não significa inferioridade da mulher.
Alguns, infelizmente, têm interpretado o ensino bíblico sobre submissão como se significasse a inferioridade da mulher. Mas submissão feminina é, acima de tudo, uma questão funcional, não "essencial". 

Deus criou o homem E a mulher à imagem dEle (Gn 1:27). Criou a mulher justamente para socorrer o homem e complementá-lo onde ELE era fraco (Gn 2:15-18; veja Gl 3:28). 

Na própria Bíblia encontramos mulheres mais corajosas que os homens (Débora X Baraque), mais capazes como comunicadoras da Palavra que seus maridos (Priscila e Áquila) e mais comprometidas com Jesus (Maria e Marta).

Isso significa que não há diferenças funcionais e práticas no bom andamento do lar? Não. Em sua infinita graça Deus designou um membro do lar como líder, protetor e provedor, e outro como sua companheira, amiga e complemento, assim evitando muito conflito e atrito na família


Submissão da esposa não é para todos os homens em todos os contextos.

Tenho ouvido vários homens falando como se todas as mulheres fossem subservientes a eles. Mas o texto bíblico é unânime e claro ao declarar não menos de QUATRO vezes que submissão é da esposa ao seu próprio marido (Cl 3:18, 1 Pe 3:1, Ef 5:22, Tt 2:2-5). 

O jovem namorado não tem direito nem razão em exigir "submissão" da parte de sua namorada, assim como um homem não tem direito de "mandar" na esposa de outro. 

A ordem bíblica aplica-se ao lar e, conforme alguns outros textos bíblicos, algumas situações de liderança na igreja. Mas nada na Palavra justifica uma aplicação de "submissão feminina" ao contexto político, empresarial ou social. Tomemos cuidados para falar o que a Palavra fala, não mais nem menos.



Submissão não significa escravidão.
Se existe escravidão no lar, o "escravo" é o homem e não a mulher. Jesus chamou o homem para liderar o lar com amor sacrificial, e exemplificou essa liderança amorosa pela vida de servo. Infelizmente, o movimento feminista tem escravizado ainda mais as mulheres, "libertando-as" para uma vida em que não somente ganham o pão de cada dia, mas, também continuam cuidando de boa parte do serviço da casa.

Alguns homens têm contribuído para esse quadro. Interpretam a frase "auxiliadora idônea" de Gn 2:15-18 como "capacho eficiente", quando de fato significa que a mulher é um complemento ao homem-diferente-mas-semelhante ao homem, para socorrê-lo em suas muitas encrencas! Certamente não justifica um homem deitado no sofá com controle remoto em mãos gritando para sua esposa atarefada trazer um refrigerante da geladeira com pedaço de limão!

Submissão não implica em autonomia masculina no lar.
Submissão no lar não significa que o homem toma todas as decisões independentemente de qualquer consulta, palpite ou opinião dos outros membros do lar.
Não é isso que diz as escrituras.
A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. 
1 Coríntios 7:4

O ponto na criação da mulher foi justamente a necessidade que o homem tinha (e tem) de alguém ao seu lado como companheira, amiga, complemento e socorro. Que burrice ignorar e anular os dons da pessoa que Deus colocou ao nosso lado para nos completar! Conheço homens que não permitem que suas esposas comprem um pão francês sozinhas, mas que saem para adquirir um novo carro, terreno ou apartamento sem sequer consultar suas esposas! Esse não é o plano de Deus para relacionamentos saudáveis no lar.
Agora que preparamos a tela, descobrindo o que submissão feminina NÃO significa, podemos pintar o retrato da nossa "Mona Lisa", a mulher submissa cujo valor é inestimável diante de Deus.




Os judeus não chamam suas mulheres de donas de casa, mas lhe chamam de akeret ha'bait - o principio da casa, o fundamento da casa. 

Jacó homenageou sua esposa no nome de seu filho, quando ela deu a luz e morreu, antes de morrer deu o nome de ben noni - filho de minha aflição, mas jacó o deu o nome de ben yamin - filho de meu braço direito.

O rei salomão declarou que a mulher é a coroa do seu marido, e a mulher sábia ela edifica a sua casa e a tola a derruba. declarando que ela tem o poder progredir e de destruir. 

Na própria Bíblia encontramos mulheres mais corajosas que os homens (Débora X Baraque), mais capazes como comunicadoras da Palavra que seus maridos (Priscila e Áquila) e mais comprometidas com Jesus (Maria e Marta).

então você que é machista, onde encontrou respaldo em dizer que na bíblia a mulher não vale nada?

Read more...

Como assim, "não toqueis no ungido do Senhor..."?!



Há várias passagens na Bíblia onde aparecem expressões iguais ou semelhantes a estas do título desta postagem:

A ninguém permitiu que os oprimisse; antes, por amor deles, repreendeu a reis, dizendo: Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas (1Cr 16:21-22; cf. Sl 105:15).

Todavia, a passagem mais conhecida é aquela em que Davi, sendo pressionado pelos seus homens para aproveitar a oportunidade de matar Saul na caverna, respondeu: "O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, isto é, que eu estenda a mão contra ele [Saul], pois é o ungido do Senhor" (1Sm 24:6).

Noutra ocasião, Davi impediu com o mesmo argumento que Abisai, seu homem de confiança, matasse Saul, que dormia tranquilamente ao relento: "Não o mates, pois quem haverá que estenda a mão contra o ungido do Senhor e fique inocente?" (1Sm 26:9). Davi de tal forma respeitava Saul, como ungido do Senhor, que não perdoou o homem que o matou: “Como não temeste estender a mão para matares o ungido do Senhor?” (2Sm 1:14).

Esta relutância de Davi em matar Saul por ser ele o ungido do Senhor tem sido interpretado por muitos evangélicos como um princípio bíblico referente aos pastores e líderes a ser observado em nossos dias, nas igrejas cristãs. Para eles, uma vez que os pastores, bispos e apóstolos são os ungidos do Senhor, não se pode levantar a mão contra eles, isto é, não se pode acusa-los, contraditá-los, questioná-los, criticá-los e muito menos mover-se qualquer ação contrária a eles. A unção do Senhor funcionaria como uma espécie de proteção e imunidade dada por Deus aos seus ungidos. Ir contra eles seria ir contra o próprio Deus.

Mas, será que é isto mesmo que a Bíblia ensina?

A expressão “ungido do Senhor” usada na Bíblia em referência aos reis de Israel se deve ao fato de que os mesmos eram oficialmente escolhidos e designados por Deus para ocupar o cargo mediante a unção feita por um juiz ou profeta. Na ocasião, era derramado óleo sobre sua cabeça para separá-lo para o cargo. Foi o que Samuel fez com Saul (1Sam 10:1) e depois com Davi (1Sam 16:13).

A razão pela qual Davi não queria matar Saul era porque reconhecia que ele, mesmo de forma indigna, ocupava um cargo designado por Deus. Davi não queria ser culpado de matar aquele que havia recebido a unção real.

Mas, o que não se pode ignorar é que este respeito pela vida do rei não impediu Davi de confrontar Saul e acusá-lo de injustiça e perversidade em persegui-lo sem causa (1Sam 24:15). Davi não iria matá-lo, mas invocou a Deus como juiz contra Saul, diante de todo o exército de Israel, e pediu abertamente a Deus que castigasse Saul, vingando a ele, Davi (1Sam 24:12). Davi também dizia a seus aliados que a hora de Saul estava por chegar, quando o próprio Deus haveria de matá-lo por seus pecados (1Sam 26:9-10).

O Salmo 18 é atribuído a Davi, que o teria composto “no dia em que o Senhor o livrou de todos os seus inimigos e das mãos de Saul”. Não podemos ter plena certeza da veracidade deste cabeçalho, mas existe a grande possibilidade de que reflita o exato momento histórico em que foi composto. Sendo assim, o que vemos é Davi compondo um salmo de gratidão a Deus por tê-lo livrado do “homem violento” (Sl 18:48), por ter tomado vingança dos que o perseguiam (Sl 18:47).

Em resumo, Davi não queria ser aquele que haveria de matar o ímpio rei Saul pelo fato do mesmo ter sido ungido com óleo pelo profeta Samuel para ser rei de Israel. Isto, todavia, não impediu Davi de enfrentá-lo, confrontá-lo, invocar o juízo e a vingança de Deus contra ele, e entregá-lo nas mãos do Senhor para que ao seu tempo o castigasse devidamente por seus pecados.

O que não entendo é como, então, alguém pode tomar a história de Davi se recusando a matar Saul, por ser o ungido do Senhor, como base para este estranho conceito de que não se pode questionar, confrontar, contraditar, discordar e mesmo enfrentar com firmeza pessoas que ocupam posição de autoridade nas igrejas quando os mesmos se tornam repreensíveis na doutrina e na prática.

Não há dúvida que nossos líderes espirituais merecem todo nosso respeito e confiança, e que devemos acatar a autoridade deles – enquanto, é claro, eles estiverem submissos à Palavra de Deus, pregando a verdade e andando de maneira digna, honesta e verdadeira. Quando se tornam repreensíveis, devem ser corrigidos e admoestados. Paulo orienta Timóteo da seguinte maneira, no caso de presbíteros (bispos/pastores) que errarem:

"Não aceites denúncia contra presbítero, senão exclusivamente sob o depoimento de duas ou três testemunhas. Quanto aos que vivem no pecado, repreende-os na presença de todos, para que também os demais temam" (1Tim 5:19-20).

Os “que vivem no pecado”, pelo contexto, é uma referência aos presbíteros mencionados no versículo anterior. Os mesmos devem ser repreendidos publicamente.

Mas, o que impressiona mesmo é a seguinte constatação. Nunca os apóstolos de Jesus Cristo apelaram para a “imunidade da unção” quando foram acusados, perseguidos e vilipendiados pelos próprios crentes. O melhor exemplo é o do próprio apóstolo Paulo, ungido por Deus para ser apóstolo dos gentios. Quantos sofrimentos ele não passou às mãos dos crentes da igreja de Corinto, seus próprios filhos na fé! Reproduzo apenas uma passagem de sua primeira carta a eles, onde ele revela toda a ironia, veneno, maldade e sarcasmo com que os coríntios o tratavam:

"Já estais fartos, já estais ricos; chegastes a reinar sem nós; sim, tomara reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco.

Porque a mim me parece que Deus nos pôs a nós, os apóstolos, em último lugar, como se fôssemos condenados à morte; porque nos tornamos espetáculo ao mundo, tanto a anjos, como a homens.

Nós somos loucos por causa de Cristo, e vós, sábios em Cristo; nós, fracos, e vós, fortes; vós, nobres, e nós, desprezíveis.

Até à presente hora, sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nos afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Quando somos injuriados, bendizemos; quando perseguidos, suportamos; quando caluniados, procuramos conciliação; até agora, temos chegado a ser considerados lixo do mundo, escória de todos.

Não vos escrevo estas coisas para vos envergonhar; pelo contrário, para vos admoestar como a filhos meus amados. Porque, ainda que tivésseis milhares de preceptores em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; pois eu, pelo evangelho, vos gerei em Cristo Jesus. Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores" (1Cor 4:8-17).

Por que é que eu não encontro nesta queixa de Paulo a repreensão, “como vocês ousam se levantar contra o ungido do Senhor?” Homens de Deus, os verdadeiros ungidos por Ele para o trabalho pastoral, não respondem às discordâncias, críticas e questionamentos calando a boca das ovelhas com “não me toque que sou ungido do Senhor,” mas com trabalho, argumentos, verdade e sinceridade.

“Não toque no ungido do Senhor” é apelação de quem não tem nem argumento e nem exemplo para dar como resposta.




Por Augustus Nicodemus Lopes
fonte: o temporá, o mores

Read more...

local de banhos de purificação com 2 mil anos



ENCONTRADO EM JERUSALÉM UM LOCAL PARA O RITUAL DOS BANHOS DE PURIFICAÇÃO COM 2000 ANOS

Mais uma surpreendente descoberta feita em Jerusalém pelos arqueólogos comprova a enorme quantidade de locais utilizados para os banhos rituais judaicos à volta do Segundo Templo.
Segundo uma declaração emitida hoje pela Autoridade para as Antiguidades de Israel, este complexo de banhos rituais (mikveh) foi encontrado e escavado perto de Jerusalém, no novo bairro de Kiryat Menachem, e deveria estar a ser utilizado na época do Segundo Templo de Jerusalém.
As ruínas foram encontradas durante escavações para a construção de uma nova estrada.

Uma pessoa que entrasse no espaço de banhos teria de descer alguns degraus até uma câmara subterrânea escavada na rocha. Ao contrário do que era habitual, a água para os banhos não vinha de um poço nas imediações, mas antes de canais que conduziam a água de três reservatórios escavados no tecto.

Segundo o arqueólogo Benyamin Storchan, o sistema estava de acordo com as leis judaicas respeitantes aos banhos rituais, tais como "recolher a água de forma natural sem contacto humano e assegurar que a água não se afunda no solo, que é a razão pela qual o local do banho era tratado com uma qualidade especial de gesso."
Segundo o arqueólogo, a construção do local de banhos era única: "O sistema exposto nesta altura é um sistema mais sofisticado e complexo."

O sistema de banhos deveria estar associado a uma comunidade local dos dias do Segundo Templo.





Shalom, Israel!

Read more...

O mar da galileia e seu mistério


MISTERIOSA ESTRUTURA DE PEDRA DESCOBERTA NO FUNDO DO MAR DA GALILEIA

Uma gigantesca e "monumental" estrutura de pedra descoberta no fundo das águas do Mar da Galileia em Israel tem deixado os arqueólogos "baralhados" quanto aos seus propósitos e há quanto tempo terá sido construída.
A misteriosa estrutura tem o formato de um cone e é feita de "paralelipípedos e pedregulhos não trabalhados" e pesa cerca de 60.000 toneladas - assim pensam os pesquisadores.
Isso torna a estrutura mais pesada dos que os modernos barcos de guerra.


A estrutura tem uma altura de cerca de 10 metros e um diâmetro de cerca de 70 metros. Colocando em perspectiva, o círculo de pedras da Stonehenge tem um diâmetro que é cerca de metade, com as suas pedras mais altas não atingindo a altura da estrutura encontrada no Mar da Galileia.
A estrutura dá a ideia de ser um gigantesco montão de pedras colocadas umas em cima das outras. Estruturas destas têm sido descobertas em outras partes do mundo e são usadas para marcar locais de sepultamento. Os pesquisadores não sabem se a estrutura agora descoberta era também usada para esse propósito.


A estrutura foi pela primeira vez detectada no verão de 2003, durante um teste de sonar  na parte sudoeste do Mar da Galileia  Desde essa altura que mergulhadores têm andado a investigar. Segundo a opinião deles, a estrutura é definitivamente feita por mãos humanas e terá provavelmente sido feita em terra, tendo mais tarde sido coberta pelas águas do Mar da Galileia à medida que o nível das águas foi subindo. 


Segundo os mergulhadores, há agora necessidade de pesquisas feitas por arqueólogos no fundo do Mar, de forma a tentar determinar a data e propósito desta estrutura.
Pensa-se no entanto que a estrutura poderá ter uns 4.000 anos, devido ao facto de existirem outras estruturas megalíticas na região dessa mesma época.
A expectativa agora é de que em breve possa ser realizadas mais expedições científicas e arqueológicas para resolver este "mistério"...
Shalom, Israel!




fonte: (aqui)

Read more...

Biografia de Saulo de Tarso - Apóstolo Paulo




Saiba um pouco sobre o Apóstolo Paulo

O nome original do Apóstolo Paulo era Saulo; no judaico Saulo, em hebreu Shaul (Saul) e no grego Saulus. O Apóstolo Paulo nasceu entre os anos 5 e 10 dC, na cidade de Tarso da Cilícia . Por isso era e é chamado Paulo ou Saulo de Tarso.

"E disse-lhe o Senhor: Levanta-te, e vai à rua chamada Direita, e pergunta em casa de Judas por um homem de Tarso chamado Saulo; pois eis que ele está orando" (Atos 9:11).

Era filho de judeus, da tribo de Benjamin e como era o costume foi circuncidado ao oitavo dia. Também cresceu seguindo a mais perfeita tradição judaica.

"Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu" (Filipenses 3:5).

Tinha uma irmã e um sobrinho que moravam em Jerusalém.

"E o filho da irmã de Paulo, tendo ouvido acerca desta cilada, foi, e entrou na fortaleza, e o anunciou a Paulo" (Atos 23:16).

Sua profissão era artesão, fabricante de tendas.

"E, como era do mesmo ofício, ficou com eles, e trabalhava; pois tinham por ofício fazer tendas" (Atos 18:3).


O seu estado civil também é um tanto incerto, ainda que na maioria das vezes se afirme que era solteiro. Pelo que vemos nas cartas paulinas, parecia ele ser solteiro:

"Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo; mas cada um tem de Deus o seu próprio dom, um de uma maneira e outro de outra. Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu" (I coríntios 7:7,8).

Alguns ficam em dúvida por causa do que está escrito em I Coríntios:

"Não temos nós direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?" (I Coríntios 9:6)


Ainda jovem foi para Jerusalém e, na escola de Gamaliel, se especializou no conhecimento da sua religião. Tornou-se fariseu, ou seja, especialista rigoroso e irrepreensível no cumprimento de toda a Lei e seus pormenores.

"Quanto a mim, sou judeu, nascido em Tarso da Cilícia, e nesta cidade criado aos pés de Gamaliel, instruído conforme a verdade da lei de nossos pais, zeloso de Deus, como todos vós hoje sois" (AtOS 22:3).

Cheio de zelo pela religião, começou a perseguir os cristãos.

"Segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível "(Filipenses 3:6).

Esteve presente no martírio de Estevão, cujos mantos foram depositados aos seus pés.

"E quando o sangue de Estêvão, tua testemunha, se derramava, também eu estava presente, e consentia na sua morte, e guardava as capas dos que o matavam" (Atos 22:20).


Continuou perseguindo a Igreja até que se encontrou com o Senhor na estrada de Damasco.

"E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão (Atos 8:3). E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote. E pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, se encontrasse alguns daquela seita, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém. E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu. E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões" (Atos 9:1-5).

A experiência de Paulo com Jesus mudou completamente a sua vida. De perseguidor passou a ser o anunciador até a sua morte.

Na sua primeira missão apostólica, entre os anos 45 e 49, anunciando o Evangelho em Chipre, Panfilia, Pisidia e Lacaônia (At 13-14), passou a usar o nome grego de Paulo de preferência a Saulo, seu nome judaico.

"Todavia Saulo, que também se chama Paulo, cheio do Espírito Santo, e fixando os olhos nele" (At 13,9).


Era um homem bem preparado, além de conhecer bem a sua religião (o que pode ser comprovado pelas muitas citações ao AT), possuía boas noções de filosofia e das religiões gregas do seu tempo. Em Tarso, sua cidade natal, havia escolas filosóficas (dos estoicos e cínicos) e também escolas de educadores.

Ali nasceu Atenodoro, professor e amigo do imperador Augusto. Paulo algumas vezes utiliza frases desse educador: “Para toda criatura, a sua consciência é Deus” (Cf. Rm 14,22a). Ou: “Guarde para você, diante de Deus, a consciência que você tem” ou: “Comporte-se com o próximo como se Deus visse você, e fale com Deus como se os outros ouvissem você” (Cf. 1Ts 2,3-7). Além disso conhecia bem o grego e o método da retórica. Esforçava-se para compreender o modo grego de viver.

E também era cidadão romano.

"O tribuno mandou que o levassem para a fortaleza, dizendo que o examinassem com açoites, para saber por que causa assim clamavam contra ele. E, quando o estavam atando com correias, disse Paulo ao centurião que ali estava: É-vos lícito açoitar um romano, sem ser condenado? E, ouvindo isto, o centurião foi, e anunciou ao tribuno, dizendo: Vê o que vais fazer, porque este homem é romano. E, vindo o tribuno, disse-lhe: Dize-me, és tu romano? E ele disse: Sim. E respondeu o tribuno: Eu com grande soma de dinheiro alcancei este direito de cidadão. Paulo disse: Mas eu o sou de nascimento" (Atos 22:24-28).

Embora não mencione isso em suas cartas, como se o desprezasse, a sua verdadeira cidadania é outra pois sua visão era no reino celestial.

"Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo" (Filipenses 3:20).

Porém, ele soube tirar proveito desse título, bem como de toda a bagagem cultural adquirida, para conduzir todos a Jesus.

"Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele" (I Coríntios 9:19-23).

Lendo as Cartas percebemos o caráter do Apóstolo: às vezes muito meigo e carinhoso; às vezes, severo. Não abria mão das suas idéias e ameaçava com castigos. Escrevendo às comunidades comparava-se à mãe que acaricia os filhinhos e era capaz de dar a vida por eles.

"Antes fomos brandos entre vós, como a ama que cria seus filhos. Assim nós, sendo-vos tão afeiçoados, de boa vontade quiséramos comunicar-vos, não somente o evangelho de Deus, mas ainda as nossas próprias almas; porquanto nos éreis muito queridos" (I Tessalonicenses 2:7,8)

Sentia pelos fiéis as dores do parto.

"Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto, até que Cristo seja formado em vós; Eu bem quisera agora estar presente convosco, e mudar a minha voz; porque estou perplexo a vosso respeito" (Gálatas 4:19,20).

Amava-os, e por isso se sacrificava ao máximo por eles.

"Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado" (II Corítnios 12:15).

Mas era também pai que educava e gerava as pessoas por meio do Evangelho à vida nova.

"Assim como bem sabeis de que modo vos exortávamos e consolávamos, a cada um de vós, como o pai a seus filhos" (I Tessalonicenses 2:11). "Porque ainda que tivésseis dez mil aios em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; porque eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo" (I Coríntios 4:15).

Sentia, pelas comunidades que fundou, o ciúme de Deus, temendo que elas perdessem a fé.

"Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo. Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo" (II Coríntios 11:2,3).

Quando se fazia necessário exigia obediência.

"Que quereis? Irei ter convosco com vara ou com amor e espírito de mansidão?" (I Coríntios 4:21).


Muitas vezes Paulo é apresentado como alguém distante do povo e das suas comunidades, incapaz de manifestar sentimentos, indiferente ao drama das pessoas, anti-feminista, moralista e assim por diante. Os que vêem Paulo com esses olhos esquecem-se de suas viagens, cadeias, sofrimentos, perigos e, sobretudo, sua paixão por Jesus e pelo povo. Era capaz de amar todos os membros de todas as comunidades, sem distinção, chamando-os de queridos, amados, irmãos e até mesmo filhos. Queria que todos fossem fiéis a Deus.

É interessante ler as suas Cartas e anotar com quanta freqüência ele usava expressões, tais como: tudo, todo, sempre, continuamente, sem cessar, etc., e com elas expressar sua constante preocupação para com todos. E basta uma leitura mais cautelosa das suas Cartas para descobrir que Paulo não é assim tão insensível e que todo o seu apostolado vem carregado de sentimentos.

"O coríntios, a nossa boca está aberta para vós, o nosso coração está dilatado. Não estais estreitados em nós; mas estais estreitados nos vossos próprios afetos. Ora, em recompensa disto, (falo como a filhos) dilatai-vos também vós" (II Coríntios 6:11-13).


Encontrou dificuldade para ser aceito como Apóstolo. As suspeitas vinham do fato ser um perseguidor e sobretudo porque não foi escolhido pessoalmente por Jesus. Quatorze anos após a sua conversão, subiu a Jerusalém, para o Concílio, onde defendeu a não circuncisão para os pagãos. Ele mesmo se defendeu das acusações.

"Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens. Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo" (Gálatas 1:11,12).

Para ele, anunciar o Evangelho era uma obrigação:

"Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!" (I Coríntios 9:16).

Em sua incansável missão de anunciar o Evangelho Paulo sofreu muito, mas não desistiu. Ele mesmo relata algumas das situações difíceis que passou:


"São ministros de Cristo? (falo como fora de mim) eu ainda mais: em trabalhos, muito mais; em açoites, mais do que eles; em prisões, muito mais; em perigo de morte, muitas vezes. Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos; Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez" (II Coríntios 11:23-27).

Teve que lutar contra os falsos missionários (2Cor 10-12) que anunciavam um Evangelho fácil, que fugiam da humilhação e da tribulação. Anunciavam um Jesus sem a cruz. Paulo anunciava o Jesus Crucificado, ainda que isso fosse escândalo.

"Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos" (I Coríntios 1:23).

Porém a cruz não era o fim. 
O mesmo Jesus da cruz é também 
o Jesus Ressuscitado (1Cor 15).



Read more...

Arqueólogos descobrem complexo de 4 mil anos no Iraque


Arqueólogos britânicos divulgaram nesta quinta-feira (4) a descoberta de um grande complexo perto de onde se situava a antiga cidade de Ur, no atual Iraque. 

As construções datam de 4 mil anos atrás, mesma época em que Abraão viveu na cidade, de acordo com a Bíblia. Stuart Campbell, pesquisador da Universidade de Manchester que liderou o trabalho, disse que a descoberta é “de tirar o fôlego”. 

O complexo tem a área semelhante à de um campo de futebol, e descobertas tão grandes e tão antigas são consideradas raras. “Parece ser algum tipo de prédio público. Pode ter sido um centro administrativo, pode ter tido conexões religiosas ou pode ter sido usado para controlar a entrada de mercadorias na cidade de Ur”, explicou Campbell. 

Os objetos descobertos no local, assim como restos de plantas e animais encontrados nas ruínas, devem ajudar a contar a história das civilizações que ocuparam a região na Antiguidade. Ur foi a última capital da civilização suméria, surgida 5 mil anos atrás em uma região historicamente conhecida como Mesopotâmia, no Oriente Médio.

Depois de décadas de guerras e relações tensas com o Ocidente, o Iraque volta a ser um campo a ser explorado por arqueólogos – o sul do país, onde foi feita esta descoberta, é considerado relativamente estável. Esta foi a primeira expedição de pesquisadores britânicos ao local desde a década de 1980.




fonte: G1 Noticias

Read more...

Vale de Jezreel (Deus Semeia)


Também conhecido como Campo das Legiões, Vale Esdrelon, Grande Planície de Esdrelon, Grande Planície do Megido, "O Vale", Vale de Megido


O espaçoso Vale de Jezreel alarga-se para o norte e leste do Monte Carmelo, oferecendo uma passagem extremamente agradável aos viajantes internacionais, dos tempos antigos. O solo fértil aluvial tornava também este o celeiro do país. A Bíblia fala da coligação de exércitos neste vale no lugar do Armagedom.

Monte Tabor
Do cume de Nazaré, MT. O Tabor agiganta-se para o leste. Enquanto algumas tradições atribuiem a transfiguração de Jesus a este lugar, outros defendem que tenha sido mais provável ocorrido na área em torno de Cesareia de Filipe. Débora e Barak acampados no Monte. Tabor com o exército israelita antes de atacar e derrotar o exército cananeu comandado por Sísera  (Sísera nome de um general cananeu do exército de Jabim, rei dos cananeus e opressor de Israel).




Monte Gilboa
O Monte Gilboa está do lado sudeste do Vale de Jezreel. O rei Saul sentiu-se forçado a cometer suicídio nestas encostas quando sofreu a derrota infligida pelos filisteus. À luz das mortes de Saulo e de Jonathan, David amaldiçoou a montanha: "ó montes de Gilboa, que não tenhas mais nem orvalho nem chuva, nem campos que produzam ofertas" (2 Sam 1:21).


O Monte Arod
Ao pé do monte Gilboa há uma fonte (era conhecida como a fonte da primavera) Arod. Juízes 7 descreve as ações de Gideão com os trezentos que vencem os midianitas. Ele experimentou os homens para escolher aqueles que dariam a vitória e seria essa reconhecida como dada por Deus. Eles passaram o ribeiro “…qualquer que lamber as águas com a sua língua, como as lambe o cão, esse porás à parte”. Hoje, existe uma piscina e fica logo em frente à caverna onde a fonte da primavera emerge.


Vale de Arodi (1ª Reis 19:16,17).
Esta visão fantástica está cheia de história bíblica. A partir desta localização em Tel Jezreel olhar para o leste, pode-se imaginar o quase ungido (mas ainda não coroado) Jeú "dirigindo como um louco", no seu caminho para matar os reis de Israel e Judá. 900 anos mais tarde, Jesus curou os 10 leprosos, provavelmente em algum lugar deste vale.

Read more...

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

links

os melhores blogs evangélicos

2leep.com

top visitas

agregadores

About This Blog

  © Blogger template Shush by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP